Stregheria,Stregoneria ou Bruxaria Italiana são os nomes dados a Velha Religião ( Vecchia Religione) da região da Itália. Culto Pagão com origens nos velhos Mistérios Etruscos e Egeus. A Stregheria é uma Religião que é formada por diversos Clãs. (Tradições ou Familias), na maioria segue uma linhagem Hereditária e Oculta. O culto Streghe é diverso, mas segue principalmente os ensinamentos da Prima Streghe( Arádia ou Heródia).
A Deusa Diana e o Deus Cornifero Dianus Lucifero.

Total de visualizações de página

Bruxo Callegari - TV Espelho Mágico

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

La Vechia Religione - Streghoneria - Bruxaria Italiana


 La Vechia Religione - A velha religião na Itália começou com os povos Etruscos que surgiram na Itália por volta de 1.000a.C. Como povos místicos e detentores de conhecimentos de ciências mágicas eles influenciaram muito a religião da Itália.

  Os povos Etruscos legaram túmulos magnificamente decorado e às vezes com preciosos tesouros, armas, utensílios de uso pessoal, todos esses objetos indicavam o nível social da pessoa que acreditavam na vida após a morte e que os deuses, se fossem bem cultuados durante suas vidas na terra, poderiam lhes reservar uma boa vida pós mortem.

  Os deuses ocupavam lugar de destaque na vida cotidiana dos Etruscos, influenciavam seus comportamentos, seus relacionamentos e a ideia principal dos Etruscos era o poder que os deuses podiam lhes conceder. Os Etruscos deram aos italianos as bases de sua religião antiga e seus conhecimentos, que foram divulgados em todas as regiões da Itália.

  A chegada do cristianismo na Itália determinou a queda do Paganismo e o culto aos deuses antigos foi considerado ilegal. As sacerdotisas de Diana se refugiaram em vilarejos isolados, onde hoje se encontra o templo de Diana em ruínas, a Velha Religião foi conservada nessas áreas de camponeses e o sua tradição existe até hoje na Itália moderna.

  A perseguição das bruxas na Itália não foi violenta ou agressiva como foi em outros países, as bruxas italianas se concentravam em vilas isoladas e eram geralmente muito procuradas por seus talentos como parteiras, curandeiras e oráculistas.

  A bruxa italiana chama-se Stregha e o bruxo italiano chama-se Streghone, o termo Streghe serve para ambos os sexos. O coven de bruxos italianos é chamado de Boschetto. A Stregheria também tem várias tradições conforme as regiões da Itália.

  Na Stregha é muito importante os laços familiares, os espíritos que protegem e preservam a antiga religião e seus conhecimentos. Ha muitas diferenças entre as bruxas norte americanas e as bruxas italianas, essas diferenças além de serem históricas são devidas a diferentes tradições e diferentes crenças.

  Os Estados Unidos fica muito distante da Itália e em época passada, nos tempos primitivos os conhecimentos da Itália eram totalmente diferentes dos conhecimentos americanos, assim como a sua história, por exemplo: uma bruxa Strega nunca ouviu falar sobre karma ou darma, há tempos atrás, por que o conceito oriental místico esotérico só chegou na Itália neste século, portanto estes conceitos não estavam presentes na Itália no ano de 1.300 a.C.

  Como a Streghoneria italiana têm seus alicerces na vechia religione praticada nessa época, genuinamente ela não usa conceitos orientais.

  Na Itália existem quase 200 dialetos diferentes, o que originam diversas formas de conhecimentos, tradições e clãs.

  A magia Stregha usa muitos objetos da natureza, amuletos como figas, sapos, cimaruta, talismãs, adivinhações com cartas, feitiços, os círculos mágicos é muito comum se encontrar chaves feitas de ouro ou prata, tesouras, ferraduras, pérolas, alfinetas, fitas vermelhas, sal e ervas secas.

  São muito importantes os laços familiares na bruxaria italiana e geralmente a iniciação de uma bruxa Stregha começa desde o momento de seu nascimento. As mulheres mais velhas da família gradativamente vão transmitindo conhecimentos orais e vão observando quais são os dons despertos. Isto também acontecia entre os meninos que despertavam mais tarde para a magia do que as meninas.


Autor : Valdir Callegari











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vídeos

Loading...